CASOS de REGRESSAO

Caso de Fobia.

Carla 43 anos, casada, possuía um medo incontrolável e um tanto irracional  de aranhas, não era capaz de ver imagens ou algo que se assemelha-se a elas, porque (automaticamente) passava a sentir enjoô, tontura, aumento de batimentos cardíacos associados a uma  sensação de angústia e desepero, sentia como se fosse desmaiar quando encontrava alguma em seu caminho.
Não se lembra exatamente quando passou a sentir tamanho desconforto nem mesmo se recorda de ter sido mordida por alguma.
Em sua regressão vivenciou uma vida onde foi um beduíno que tinha de levar uma mensagem secreta pelo deserto. Ele estava a caminho de uma pirâmide e no percurso caiu em um buraco que revelou uma passagem secreta onde viu uma parede com uma aranha de ouro entalhada, no intuíto de descobrir o que existia por lá apertou a figura e no minuto seguite cairam aranhas venenosas por todo o lugar cobrindo seu corpo lhe causando uma morte lenta e dolorosa.
Após a sessão a paciente relatou que desapareceram por completo os sintomas e já era capaz de estar em contato com alguma sem sentir-se mal, descobriu também por que durante sua vida nunca foi uma pessoa curiosa já que a experiência passada serviu como aprendizado para trabalhar o sentimento de curiosidade.
A situação dolorosa no momento da morte ficou registrada em seu inconsciente desencadeando na vida atual a fobia por aranhas.

Caso de Regressão Simbólica.

Rogério, 23 anos, solteiro, designer gráfico, assim como muitas pessoas possui uma regressão que chamamos de simbólica, onde o inconsciente utiliza figuras como ferramenta para liberar o que deve ser tratado. O mais importante na regressão são os conteúdos que devem ser trabalhados e harmonizados causando a melhora do paciente, e isso não muda neste tipo particular de regressão.
Nesta sessão ele pôde concluir que embora as informações não fossem muito coerentes o que muitas vezes faziam com que duvidasse que estava mesmo vivenciando uma regressão, após as sessões obteve melhoras.
Regressão 
-Vejo um lugar acho que é o Egito, montanhas, cenas de briga, homen de espada, lago e uma cidade refletida nele.
Quem é você ?
-Não sei 
Onde você está ?
-Estou olhando para o chão quadriculado e com solzinhos nele, engrenagem, quadro rabiscado, vejo um cara meio grande ele aponta pra mim, fala alguma coisa e va embora.
Você conhece esse homen  ?
-Não , não sei...
O que te chama atenção ?
-Nada 
Onde você está agora ?
-Fica todo mudando... vejo janelas como se fossem de desenho animado e depois tudo volta ao anterior.
O que você sente ?
-Um calor nos braços e na parte da barriga ...
Depois da sessão o paciente sentia-se bem e informou que diversas vezes tivera dores e cólicas intestinais na mesma região onde sentiu o calor durante a sessão. Depois não voltou a senti-las.

Caso de Regressão Intra-Uterina.

No período gestacional ou intra-uterino o bebê fica totalmente ligado à mãe sentindo suas emoções e pensamentos nos primeiros meses; ainda não é capaz de distinguir suas emoções das de sua mãe. É por isso muitos comportamentos são originados na gravidez e desencandeiam atitudes posteriores.
Antônia, 29 anos, estudante, queixa-se muito de ser uma pessoa insegura em relação a sua própia vida e suas escolhas e tinha dificuldade de se relacionar com a mãe, dizia que ela sempre a fazia sentir-se inferior a suas irmãs e por isso guardava uma mágoa em relação a isso não sentindo-se suficientemente boa em nenhuma àrea da sua vida pela falta de aprovação da mãe.
Em regressão voltou ao ventre materno se sentindo muito amada e protegida, escutava sua mãe lhe contando histórias e o tempo todo conversando com ela, dizia que a amava muito, que estava ansiosa pra recebe-la, mas fazia planos sobre como ela devia ser, agir e pensar, criava uma realidade em seus diálogos que faziam o bebê sentir–se sobrecarregado, inseguro e com medo de não corresponder às expectativas da mãe.
Na vida adulta esta situação trouxe problemas para a relação das duas porque a paciente desenvolveu uma imensa frustação em relação a sua genitora porque não foi nem de perto a pessoa que a sua mãe imaginou que seria o que não significa que seja uma pessoa ruim, apenas é diferente da filha que a genitora criou em sua visão.
Após a sessão as coisas melhoraram porque a paciente passou a entender que não deveria tentar ser o que não era pra agradar sua mãe, pois isso lhe causava grande sofrimento trazendo–lhe insegurança.

DESCUBRA

A técnica
Começa com o processo de indução mental ativa, que consiste na visualização de imagens que direcionam a mente... saiba mais

Perguntas frequentes
O que é uma regressão? Vou ficar inconsciente na sessão? Vou me lembrar?... saiba mais